O preconceito não tem peso físico que possa ser contabilizado em uma balança, mas pesa bem mais que o corpo de um gordo.

O preconceito não tem sexualidade nem preferência por gênero, mas é tão violento quanto um estupro.

O preconceito não tem cor visível, mas com toda certeza é bem mais escuro que a pele de um negro.

O preconceito não tem preço ele é distribuído de graça, o preconceito é vivo e se move com rapidez de um lince, espalha-se como um vírus, impregna o mundo e permanece anônimo mesmo quando esta mostrando a cara.

Dê voz a sua luta, seja contra o preconceito seja ele em que seguimento social esteja, o peso do preconceito pode ser grande,

porem o peso da sua força é bem maior.(Milly Costa)

28 de fev de 2011

Desconecte-se para se conectar…BLOGAGEM COLETIVA



Esse final de semana tive uma das experiências mais incríveis da minha vida...me desconectei totalmente ao colocar minha familia em primeiro lugar, e por mais que tenha sido julgada por isso sinceramente não me arrependo, não vejo meu ato como desrespeito aos leitores até porque ninguem tem contrato com o blog e nem sempre todos e leem diariamente.
Resolvi viver OFF line e realizar as coisas que vinha deixando pra trás por ficar muito tempo na net.
Todos meus blogs são informativos, tento mante-los sempre VIVOS porém não vivo disso,tenho parcerias, as respeito assim como a cada leitor e seguidor então espero que entendam meu sumiço nesse final de semana!
Pense nisso você tambem e começe a agir mais racionalmente , não é dizer mas fico em casa, mas vou ao parque com a minha filha, mas almoço com marido...isso todos fazemos porem com o celular ou o note do lado....dai não vale!!!
Trouxe esse video pra que entendam melhor o que fiz e o que indico que façam !!!Ele é um video antigo e de propaganda mas vale muito apena ser passado pra frente !
Acho valido se alguem quiser blogar sobre isso e fazer disso UM COLETIVO INTELIGENTE...fiquem a vontade postem escrevam algo ,alguma experiencia...








Esse vídeo tem uma grande lição de moral, para todos nós (me incluindo). Muitas vezes utilizamos a Internet para nos conectar com o mundo e infelizmente acabamos esquecendo de nos conectar com as pessoas que estão ao nosso lado.
Por isso o apelo no título do post: "Desconecte-se para poder se conectar!"


25 de fev de 2011

Discriminação contra pessoas gordinhas ?!?!?!?!? MARIE CLAIRE



MODA X TAMANHO GG
Na temporada de desfiles de 2005, o estilista John Galliano escolheu apenas tipos fora do padrão para mostrar sua coleção -gordinhas, anãs, esqueléticas, gente mais velha e mais nova, mostrando que o mundo abriga muitas variedades além das modelos altas e magérrimas. Isso não significa, porém, que os dias da ditadura estética estejam contados. 'O que se vende é a imagem da modelo esbelta ou da gostosona da novela. O mercado muitas vezes é cruel, assim como é da natureza humana a exclusão de determinado grupo', diz a estilista mineira Graça Ottoni. Para ela, fazer roupas para mulheres gordas é difícil, assim como para qualquer um que fuja do padrão. 'Trabalhamos em série. Uma pessoa muito alta ou muito baixa também deveria ter uma roupa feita sob medida', afirma a estilista, que confecciona até o número 46. O estilista Lino Villaventura já criou até vestido de noiva para uma cliente com mais de 100 quilos. 'Mas é complicado confeccionar em grande escala por causa das proporções. Tem quem seja mais cheinha nos quadris; para outras, o problema está no busto. A modelagem não pode ser padronizada', diz Lino. Há, ainda, outro motivo: segundo ele, as próprias mulheres não gostam de ver roupas enormes na loja. 'Mesmo quem é gordinha quer vestir roupa de magra. O preconceito não é declarado, mas existe, como no caso dos negros, dos nordestinos e tantos outros grupos.'



PRESSÃO PÓS-GRAVIDEZ
A atriz Nívea Stelmann controlou
a dieta durante a gestação
O medo de ser taxada de gorda ronda as mulheres também durante a gravidez, um período em que as curvas generosas poderiam ser encaradas com mais condescendência. Segundo o ginecologista Renato Kalil, de São Paulo, mulher não perde mais do que 5 quilos assim que o bebê nasce -o restante vai exigir dieta e exercícios. Dependendo da urgência, tem quem recorra à lipoaspiração -foi isso o que a atriz Giovanna Antonelli decidiu fazer, oito meses depois do nascimento de Pietro, para complementar a perda dos 20 quilos que ganhou durante a gravidez. Para as grávidas famosas, aliás, a pressão para entrar logo no jeans é ainda maior. A atriz Nívea Stelmann, de 31 anos, nunca havia se preocupado com o peso, até engordar 6 quilos nos primeiros três meses da gravidez. Foi quando decidiu prestar mais atenção na dieta. 'Eu me irritava porque os figurinos da novela ficavam apertados. Além disso, tinha de lidar com a falta de delicadeza das pessoas que não pensavam duas vezes para dizer que eu tinha engordado muito ou para mencionar o meu 'bochechão'. Chorei muitas vezes.' Nívea engordou 14 quilos no total. Logo depois que Miguel nasceu, a atriz voltou à malhação e fez drenagem linfática. 'Com tudo isso e a amamentação, perdi peso rapidamente. E passei a ouvir: 'Que incrível, como você está magra!'. Poucos me perguntaram se eu estava me saindo bem como mãe. A admiração vinha por outro lado. Fazer o quê? O mundo funciona assim.'

Giovanna Antonelli fez lipoaspiração
depois do parto

(Valéria Martins)




MAIS GORDINHAS
Em 1975, a obesidade atingia apenas 3% dos homens e 8% das mulheres no Brasil. No último levantamento fei-to pelo IBGE, em 2003, esses números pularam para 9% e 13%, respectivamente. Ho- je, 39 milhões de brasileiros estão acima do peso e, destes, 10,5 milhões são obesos.

VOCÊ TEM PRECONCEITO CONTRA
AS MULHERES GORDAS?
admitiram já ter feito um comentário maldoso ao ver uma mulher gorda usando biquíni
66%
já se sentiram secretamente felizes porque a 'ex' do namorado engordou muito
58%
acham que é pior engordar 15 quilos do que reduzir o salário em 30%
52%
ficam incomodadas vendo uma mulher gorda comer hambúrguer com batatas fritas
37%
não iriam a um médico de regime que fosse gordo
36%
acreditam que as gordas são preguiçosas
21%
imaginam que, se um bonitão está com uma mulher gorda, é porque existem outros interesses
21%
dizem que uma pessoa muito gorda deveria pagar por dois assentos nos aviões
18%
Apesar disso, 77% gostariam de ver uma gorda como protagonista da novela das 8.
9.405 leitoras responderam ao questionário online preparado por Marie Claire

ESTÁ PROVADO: OS GORDOS GANHAM MENOS
Cada ponto a mais no índice equivale a R$ 92 a menos no salário, em cargos de gerência. 'Talvez isso aconteça porque a pessoa gorda é associada à idéia de lentidão no trabalho, isto é, menor produtividade', explica Case. Além de ganhar menos, os gordos geralmente perdem na hora da seleção. Segundo uma pesquisa feita pelo grupo Catho, em 2005, 65% dos diretores de empresa admitiram ter alguma objeção em contratar pessoas gordas. 'Não levantamos os motivos. Mas, na minha opinião, quem tem o desleixo de engordar também vai ser desleixado no trabalho. Isso pode justificar a rejeição', diz Thomas Case, fundador do Grupo Catho.



23 de fev de 2011

Tolices do PRECONCEITO!





Nas minhas andanças mais uma vez achei um blog "sarrista" que sinceramente não sei pra que serve ...e nele um post que dizia :


Tem uma galera enchendo o saco por causa desse post, dizendo que o vacilo foi meu.
Sei que vacilo muito às vezes, pois sou passível de falha como todo cerumano. Assim como os que eu publico aqui enquanto poderia estar fazendo algo de bom para a humanidade ¬¬
O lance é o seguinte, racismo é uma coisa e preconceito, no caso contra gordos, é outra.
Zoar um gordo como na charge em questão, se encaixa como preconceito, já que gordo não é raça e racismo é uma "subdivisão" de preconceito -.-



E pior que esse post ridiculo são os mais de 70 comentários o que me leva a crer cada vez mais que infelizmente o mundo é realmente o mesmo mas as pessoas que não estão EDUCADAS pra levar ele a sério !
Cada pensamento tosco...onde essas pessoas pretendem chegar com isso ?!!!
è tanta divisão nesse mundo..os bons e os maus...os altos e baixos,negros e brancos,ricos e pobres...GORDOS e magros
As pessoas passaram a ser taxadas como produtos pois só eles tem RÓTULO...
As pessoas respeitam só quando são punidas...tem sempre um SE (como diria Djavan)eu só vou deixar de zoar SE..
Poxa educação,valores,principios se perderam totalmente né ?!!!
Tenho pena das crianças que estão chegando num lugar onde é preciso passar por cima dos outros pra ser alguem ...
TRISTE ISSO !!!

22 de fev de 2011

Entrevista de peso com KATIUSCIA BARROS



Nome KATIÚSCIA BARROS
Idade 35
Onde mora : Me divido  entre Ipatinga e BH(MG) e SP(Capital)
Profissão: Diretora de Faculdade de Tecnologia, Consultora Educacional e Modelo Plus Size Profissional
Citação preferida: “Tú és responsável por tudo aquilo o que cativas”

Internet usa como. Profissionalmente é importante? 
Uso a net o tempo todo. Profissionalmente para acompanhar processos das Faculdades que presto serviço junto ao MEC, para me manter informada das tendências de moda e para contatos profissionais.

Quais as Redes Sociais costuma usar? 
Facebook, Blogs, Windows Live, Twitter, Orkut.

Você se vê sem esse “mundo virtual”? 
NÃO EXISTO SEM ELE! Hoje felizmente ou infelizmente estamos “presos” a Era Digital. A expertise é saber tirar o máximo proveito destas ferramentas.

Nosso blog é o ‘PESO DO PRECONCEITO’ esse nome remete a que pra vc?!! Responsabilidade social. Infelizmente hoje ha uma visão deturpada de que defendemos no segmento Plus a obesidade negligente como opção de vida. ISSO NÃO É VERDADE. Nós defendemos é o direito á diversidade, e no caso o direito de viver com sobrepeso, mas sempre cuidando da saúde. E para isso é imprescindível acompanhamento clínico de ginecoligista, clinico geral, endocrinologista, nutrólogo, psicólogo.
É interessante o nome do Blog porque nos remete a uma análise mais profunda do “papel” da sociedade como formadora de opinião. Peso do preconceito!!! Até onde vai a responsabilidade da sociedade no sobrepeso das pessoas, no aumento exagerado dos casos de bulimia, nos bullings que sofrem crianças e jovens que não conseguem se adequar a regras rígidas de “modelo ideal” de um corpo?!

Você acha que a internet viabiliza quem sofre preconceito por estar acima do peso se defender? 
Sim, mas não de defender. Nosso papel é de dar suporte. Apoio emocional e orientação. É interessante que a maioria das modelos Profissionais e gestores de Blogs e sites plus size são: Administradores, Advogados, Jornalistas, Estilistas, ou seja, pessoas que tem condição de dar orientar, de dar um norte para os que buscam apoio.

Quanto ao mundo GG na internet qual sua opinião? 
Sinceramente fico preocupada. Alguns confundem direito com imposição, liberdade com libertinagem. Um exemplo, falta orientação em alguns blogs para que as meninas tenham bom senso no vestir e nas fotos enviadas por elas, afinal estarão expostas para o “Mundo”.  Já mediei vários casos de meninas que mandaram fotos de biqinis muito curtos, roupas inadequadas e que acabaram virando chacota, porque faltou bom senso. Concordo com o que diz o Ronaldo Fraga: A pessoa elegante é a que se veste confortável e sustenta o que veste. Se elas mandam as fotos e não suportam as criticas é melhor se pouparem disso. Ou então cuidar melhor da composição do look.
A cerca de dois meses estava discutindo sobre isso com algumas blogueiras e modelos. Nossa preocupação é que homens e mulheres lutem pelo seu sonho(se esse sonho for ser modelo, ok). Façam cursos, estudem, preparem-se. Mas saibam que vai depender de dedicação, desprendimento, investimento financeiro acima de tudo. Tem muita “agência” vendendo Books por valores absurdos, se aproveitando da boa fé das pessoas.  Prometem mundos e fundos, cobram divulgação em sites e tal e não levam a qualquer retorno.

Você encontra dificuldade por ser gordo (a) /gostar de gordos (as)? 
Não. Hoje não. Mas na minha adolecência e fase adulta jovem foi um pesadelo!!! Cheguei a 162kg em virtude de Hipotiroidismo e depressão.
O que você sente ao perceber uma pessoa rindo ou comentando sobre vc e seu peso ?!O que tem vontade de dizer? Rsrs!!! Quando acontece eu encaro a pessoa e cumprimento. Depois pergunto: Posso ajudá-la?. Geralmente a pessoa quase morre de vergonha, se desculpa e sai de perto. Sou taurina, atrevidaaaaa e ousada. rsrs

Qual o pior exemplo de preconceito já sentiu?!!Como se defendeu? 
Quando um banco da van que estava cedeu.rs Eu estava em um Seminário em Brasília sobre Educação. Ao entrar na van sobrou para mim aquele banquinho perto da porta que parece ser mais frágil. Na época eu ainda estava com obesidade mórbida e ele cedeu. O motorista riu muito. Mas os outros passageiros da van que eram educadores estrangeiros ficaram indignados. Diziam que se aquilo ocorresse nos EUA ou Europa, caberia retratação pública e indenização financeira. Na hora, foi a preparação como Consultora que me fez manter a pose. Mas ao chegar no Hotel chorei como criança e acabei tendo uma crise de pressão alta pela tensão que fiquei. FOI UMA GRANDE LIÇÃO.

E sobre o outro lado.. a ditadura da magreza,beleza..as dietas loucas…doenças ? 
Sou mestiça de europeus(italianos, portugueses, eslavos), negros e índios. Sou alta(1,74) tnho rosto oval, expressão firme, cabeços cacheados, estrutura ósse descrita como extra. Mesmo “magra” eu seria uma mulher GRANDE! Já fiz dietas de tudo enquanto é jeito. Da Lua ao ovo, passando pela dieta líquida e remédios(venenos) para emagrecer. O resultado foi obesidade mórbida, gastrite, queda de cabelo, unhas fracas e depressão. Essa ditadura que se iniciou na Inglaterra e França nos modelos e manequins da década de  60 e 70 são absolutamente impraticáveis para o povo latino. Somos um povo derivado de vários outros. Temos desde a cinturinha de  pilão com grandes quadris, até os fartos seios sem cintura e sem quadril. Temos como descrição corpo pêra, corpo maçã e tals. Por que então vivemos tão dependentes e submissos a fatores externos se somos um dos principais mercados consumidores e fornecedores de moda? Basta observar e ler as entrevistas das beldades. Sempre começam com: me esforço, me dedico, sofro, sigo exemplo de fulano ou sicrano (sempre modelos e ou atrizes estrangeiras). O engraçado é que temos exemplos de belezas próprias. Malu Mader, Cléo Pires, Fernanda Montenegro, Cássia Kiss, dentre inúmeras outras.

Qual seu padrão de beleza… tem estilo fixo? 
Meu padrão é o que me permite ser feliz e com saúde. Não tenho estilo fixo.



Uma mensagem pros leitores do blog?
Amem-se acima de tudo. Lembrem-se que a felicidade é interna. Ninguém é feliz ou torna-se feliz pelo outro, se não estiver FELIZ POR SI PRÓPRIO. Nunca descuidem da saúde e lutem sempre pelos seus sonhos!!!!

21 de fev de 2011

Como lidar com o preconceito contra a obesidade? + 1º VIDEO OPP !!!



Somos mais tolerantes com as doenças ditas inevitáveis. Encaramos o câncer como uma fatalidade, as doenças cardíacas como decorrentes do estresse da vida moderna, mas somos implacáveis com a obesidade.

Quando o ato de se alimentar em público passa a ser uma preocupação para crianças e adultos obesos, podemos imaginar o quanto a obesidade interfere na vida das pessoas, estigmatizando e fazendo-as sofrer por causa deste grave preconceito. “A obesidade é vista como um estigma, que caracteriza um estilo de vida desregrado. Em muitos casos, a doença é entendida como um problema moral, uma falha de conduta ou como sinal de desorganização da vida pessoal”, diz a endocrinologista Ellen Simone Paiva, diretora do Citen, Centro Integrado de Terapia Nutricional.

Somos mais tolerantes com as doenças ditas inevitáveis. Encaramos o câncer como uma fatalidade, as doenças cardíacas como decorrentes do estresse da vida moderna, mas somos implacáveis com a obesidade. “Tratamos o obeso como um ser que carrega a culpa pelo seu mal. E o pior é que ele passa a assumir essa culpa e a agir como um grande vilão da doença”, explica a endocrinologista.

Assim, o obeso passa a vida se desculpando e assimilando todos os adjetivos e comentários que ouve a seu respeito, desde a infância, quando recebe os primeiros apelidos jocosos e nunca é escalado para jogar no time da escola... Na vida adulta, não consegue uma boa colocação no mercado de trabalho... “Com a experiência de quase três décadas no atendimento a pacientes obesos, já ouvimos e vivenciamos situações que comprovam que a obesidade traz muitas dificuldades, que vão além da esfera da saúde, dificultando o convívio social, impondo entraves à carreira e comprometendo a auto-estima do obeso, trazendo muito sofrimento”, afirma Ellen Paiva.

Casos de preconceito contra o obeso

Assim, num mundo onde a doença não é compreendida e o doente é o vilão, são muitas as situações preconceituosas vivenciadas pelo obeso, em todo o mundo. A endocrinologista Ellen Simone Paiva, comenta algumas delas, a seguir:

1) Multa para quem está fora do peso – É sabido que um dos maiores problemas de saúde nos Estados Unidos é a obesidade. Por lá, calcula-se que mais de 30% dos adultos estejam acima do peso. E para “enfrentar o problema”, o Estado do Alabama vai cobrar uma espécie de multa dos funcionários públicos que estiverem acima do peso. A partir de 2010, quem não fizer as pazes com a balança terá de pagar US$ 25 (cerca de R$ 45) a mais, por mês, pelo seguro-saúde. “Num caso como este, o Estado do Alabama deveria cobrar da indústria de alimentos tributos maiores, quando esses não estiverem de acordo com as recomendações de uma deita saudável, além de incentivar com menores taxas a industrialização de alimentos saudáveis. Da forma como foi proposta a multa, seria como taxar os fumantes que desenvolverem câncer de pulmão, ao invés de investir contra a indústria do cigarro”, afirma a endocrinologista;

2) Enterro mais caro - No condado inglês de Houghton Regis, o conselho de funerais decidiu cobrar 50% a mais para enterrar pessoas muito gordas. "O fundamento básico é que ocupam mais espaço", disse o conselheiro do local. A regra começou a vigorar em março deste ano. Em vez da tarifa normal de 129 libras (R$ 415), o sepultamento de um obeso custa 194 libras (R$ 625). “Aqui, amplia-se o ônus do obeso à sua família, que será obrigada a arcar com um gasto extra. Vejo essa estratégia como mais uma forma de preconceito contra as pessoas obesas”, argumenta Ellen Paiva;

3) Viajar ficará mais caro - A United Airlines cita reclamações de "cerca de 700 passageiros em 2008" que viajaram "espremidos" para justificar a criação da cobrança por poltronas extras para obesos em vôos lotados. “Será que esta atitude discriminatória em razão de um aspecto físico pode ser justificada de alguma maneira? Não seria mais coerente que as empresas aéreas, num país de obesos como os Estados Unidos, se preparassem melhor para atender seus usuários?”, pergunta a médica;

4) Obesos espalham obesidade para os amigos - A obesidade pode se espalhar entre as pessoas de modo semelhante a uma epidemia. É o que indica o resultado de uma pesquisa publicada pela revista Then New England Journal of Medicine. Segundo a publicação, quando alguém ganha peso, seus amigos próximos tendem a engordar também, conclui o estudo obtido a partir de uma análise detalhada sobre uma rede social de mais de 12 mil pessoas, num período de 32 anos (entre os anos de 1971 e 2003). De acordo com os cientistas, as pessoas ficavam mais propensas à obesidade quando um amigo delas engordava. Pela pesquisa, “um amigo gordo” aumenta, em 57%, o risco de uma pessoa se tornar obesa. “É bem conhecido que os hábitos aproximam as pessoas e esse é provavelmente o fato que influenciou o resultado do estudo acima. Além de todos os problemas de relacionamento conhecidos que enfrentam os pacientes obesos, eles não podem ser apontados como responsáveis por espalhar o ‘mal da obesidade’ ”, diz Ellen Paiva;

5) Menos oportunidades profissionais - De acordo com dados da POF do IBGE (Pesquisa de Orçamentos Familiares do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), 10,5 milhões de brasileiros com 20 anos ou mais são obesos - ou seja, 8,9% da população masculina e 13,1% das mulheres. Se considerada também a população que está acima do peso ideal, o número salta para 40,6% (quase 39 milhões de pessoas).Ao confrontar esses dados com a situação nas empresas, chega-se a uma conclusão: não é fácil para o obeso conseguir emprego. "Podemos citar as dificuldades das pessoas obesas para conseguir cargos que exigem uma exposição maior da imagem corporal, não porque as empresas exigem 'pessoas bonitas', mas porque a beleza parece estar ligada à idéia de saúde e de uma boa relação das pessoas com o próprio corpo. Além disso, os obesos têm muita dificuldade em acompanhar a agilidade motora dos magros, em cargos que exigem tal habilidade. Os profissionais obesos têm maiores índices de comorbidades, de faltas ao trabalho relacionadas aos problemas de saúde e maiores índices de licenças médicas. O preconceito existe e é um fator que complica a vida do obeso e estreita seu horizonte profissional ", afirma Ellen Simone Paiva, diretora do Citen;

6) Preconceito por parte dos profissionais de saúde - Uma pesquisa realizada em uma grande rede de saúde da cidade de Nova York, nos EUA, indicou que muitos médicos podem ter uma “reação negativa” a pacientes obesos. Nesse caso específico, 40% dos médicos revelaram ter esse tipo de comportamento, e muitos deles disseram se sentir muito frustrados quando tratam pacientes obesos. A pesquisa com 399 médicos – realizada entre pediatras, psiquiatras e clínicos – da Escola de Medicina da Universidade de Nova York indicou que um, em cada dez médicos, tinha reações negativas em relação ao paciente obeso – incluindo desconforto e preconceito; apenas 56% se sentiam qualificados para tratar a obesidade e 46% acreditavam ser bem sucedidos nessa tarefa. “Enquanto nosso arsenal terapêutico contra a obesidade tem se mostrado frágil, precisamos contar com povos esclarecidos e motivados, uma indústria de alimentos engajada no mesmo esforço e governos responsáveis e interessados em declarar guerra contra a doença que vem desafiando nações em todo o mundo. Investir numa melhor qualificação profissional da equipe multidisciplinar que trata a obesidade pode significar um grande avanço nesta luta. Por exemplo, No Brasil, nem todos os consultórios médicos estão equipados com cadeiras e balanças apropriadas para pacientes que passam dos 150 quilos. Podemos atender adequadamente a pacientes sem mobiliário apropriado?", pergunta a diretora do Citen.

Para combater o preconceito
Todos os fatos emergentes que comentamos reforçam situações cotidianas de estresse e sofrimento para as pessoas obesas. “Além dos exemplos que elencamos, há muitos mais... É só conversar com um paciente obeso por mais tempo. Eles já criaram uma couraça para enfrentar os problemas criados pelo preconceito em seu dia-a-dia, tais como a dificuldade de encarar um vendedor de uma loja de roupas, que, antes mesmo de ouvir a solicitação do cliente obeso, já diz que não tem a numeração extra-grande... Ou ainda o constrangimento de não ir ao cinema ou ao teatro, porque as salas de entretenimento não oferecem lugares seguros e confortáveis para eles”, conta Ellen Paiva.

Com um mundo jogando contra, é compreensível o surgimento de associações de obesos, como a americana Naafa (Associação Nacional para o Avanço da Aceitação dos Gordos), que busca defender os direitos de cidadão e do ser humano do obeso. “Eles não aguentam mais serem recusados por seguradoras de saúde, serem sinônimos de diabetes e doenças do coração, correrem o risco de pagar mais caro por passagens aéreas e serem alvo de gozação nas escolas. É importante o esclarecimento da sociedade, para que as pessoas compreendam que a obesidade é uma doença crônica e ainda sem cura, que está longe de ser uma fraqueza de caráter ou um desleixo com a vida pessoal”, argumenta a endocrinologista Ellen Simone Paiva.

O primeiro de muitos videos CONTRA o peso do preconceito... que as pessoas percam o receio e comecem a se mostrar da forma que são se assumindo e sendo felizes sem se preocupar com o que os "outros" pensarão...Assumir-se e não ofender-se ao ouvir a palavra GORDO(A) seguir sua vida independente do tamanho que se tenha...E acima de tudo lembrar que VC É IMAGEM E SEMELHANÇA DE DEUS E ELE NÃO SE ENCONTRA EM CAPAS DE REVISTAS !!!

OBRIGADO PELA PARTICIPAÇÃO DE TODOS E VC QUE FICOU FORA DESSE VIDEO COMEÇE A ENVIAR SUAS FOTOS PRO PROXIMO !!!



17 de fev de 2011

Promoção PULE CARNAVAL NA CAMA COM ANNA JOANA!

Promoção 

PULE CARNAVAL NA CAMA COM ANNA JOANA! 


Toda loja com 30% de DESCONTO !!!

*Promoção por tempo limitado.



16 de fev de 2011

Entrevista de Peso com Any Muniz



Nome
Any Muniz Garcia  
Idade
20 anos

Onde mora
Guarulhos SP
Profissão
Tenho uma loja de bijuterias e acessórios na internet.
www.amuniz.com.br.

Citação preferida
Citação? Hmmm... Um verso bíblico...
Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu.
Eclesiastes 3.1


Internet usa como. Profissionalmente é importante?
Uso sim, para manter meu blog e Profissionalmente tbm com a minha loja virtual.

Quais as Redes Sociais costuma usar?
Blog www.amuniz.com.br/blog
 Twitter @blogick e @amunizbijou
 Facebook Any Muniz Garcia e Amuniz Bijouterias
 Orkut Any Muniz


Você se vê sem esse “mundo virtual”?
Olha eu não falo que é um vicio, pois se eu precisar viajar e não poder levar o notebook, ou se não tiver internet no lugar eu não vou ficar me remoendo. Mas tem tomado uma boa parte do meu tempo e isso me faz bem.

Nosso blog é o ‘PESO DO PRECONCEITO’ esse nome remete a que pra vc?!!
De cara vemos que o blog fala de pré conceito. E isso pode acarretar em muitas coisas, realmente um peso sobre nós, o importante é saber lidar com todas as pessoas, e o blog PESO DO PRECONCEITO nos auxilia com tudo isso.

Você acha que a internet viabiliza quem sofre preconceito por estar acima do peso se defender?
Claro, quem antes da internet saia dizendo o que pensa?
Muitas pessoas usam sim pra se defender, e até pra encontrar pessoas iguais, que passem pelo mesmo problema. Um meio de não se sentir isolada do mundo. A internet, sabendo usar e tendo consciência... é ÓTIMA!


Quanto ao mundo GG na internet qual sua opinião?
Olha, eu antes de ser blogueira, achava que logo essa moda das gordinhas na internet ia passar...husahauhsa me lasquei! Até eu entrei nessa. E ADORO!
Eu sou Plus Size, falo sobre esse tema no meu blog, ajudo pessoas que me procuram, eu passei por uma depressão muito séria, engordei 50 kilos e hoje graças a Deus sei como auxiliar outras pessoas com o mesmo problema. Acho que se não fosse pela internet, eu não teria me sentido tão amada, tão útil.

Você encontra dificuldade por ser gordo (a) /gostar de gordos (as)?
Eu sou casada, e meu marido é gordinho tbm. Eu amooo meu marido e não troco ele por nenhum Brad Pitt. Eu me sentia rejeitada no começo, achava q ele ia me largar, pq ele me conheceu e eu era magra, linda e gostosona...mas como ele mesmo diz...”Quando casei com você, já estava gorda, e se estou com você é pq te amo, independente de como vc esta fisicamente”.
Eu encontro dificuldade sim, pois sofro com a minha saúde, eh muito debilitada, mas creio em Deus que logo conseguirei emagrecer alguns kilos e não sentirei tantas dores como agora.

O que você sente ao perceber uma pessoa rindo ou comentando sobre vc e seu peso ?!O que tem vontade de dizer?
Olha já senti estar sendo “zuada” mas respirei fundo e segui adiante, nem parei pra ver se realmente estavam mexendo comigo ou não. Eu não tenho vontade de falar nada, eu reflito e fico na minha.

Qual o pior exemplo de preconceito já sentiu?!!Como se defendeu?
Eu trabalhei numa empresa e qndo entrei eu era magra, fiquei doente e fui afastada por depressão e uma serie de coisas a mais.
Quando eu retornei a empresa, uma fabrica, eu me senti humilhada, eram muitos comentários, muita brincadeira de mau gosto, perguntavam se eu estava gravida, eu não tinha roupas, perdi tudo, até sapato, comecei a ir menos arrumada, tudo era motivo pra falarem, a depressão q estava indo embora, começou a voltar e sentia vontade de chorar a todo o momento, mas logo fui mandada embora e isso acabou. Na hora não soube como me defender. O que eu falava não tinha importância, me senti horrível.


E sobre o outro lado.. a ditadura da magreza,beleza..as dietas loucas…doenças ?
Olha eu já fui magra, ja passei pela fase de querer vomitar depois de comer, pra ser magra, não por muito tempo, sempre fui fã de comer.rs
Eu só penso de que as pessoas entram num mundo tão distante e que se perdem de tal maneira nesse mundo, que quando elas querem voltar a ser o que eram já não sabem mais como fazer.
Ser magra, ser gorda, ser feia, ser bela, nada importa se vc tiver uma boa cabeça. Voce tem que se aceitar do jeito que é e esta. Deus nos planejou e sabe de tudo que vamos passar, temos que pensar que há alguém que não vai nos abandonar, e crer que a nossa atitude faz a diferença.


Qual seu padrão de beleza… tem estilo fixo?
Olha, não tenho não.
Sou eclética. Claro procuro não ser extravagante.

Mas uso o que tiver no guarda roupa. Se hoje tem jeans e batinha, coloco uma rasteirinha e to pronta!. Procuro ser mais neutra tbm, não gosto muito de cooores berrantes. Mas qndo da na telha uso. rs

Uma mensagem pros leitores do blog?
Olha meninas, sei o quão é difícil ser magra, e o quão perturbador é ser gorda, sofremos por preconceito, perdemos roupas, sapatos e ainda somos motivos pra gargalhadas.
Mas saibam que tem um Pai la em cima que nos ama do jeito que nos somos.
Que sabe o que pensamos e o que fazemos, e que sem Ele não seriamos nada.
Pense...Se Deus nos fez, nos ama, nos aceita, justo Ele que é o Rei dos Reis, quem mais precisa me aceitar? Claro, precisamos ser sociais, precisamos ser aceitas no mundo em que vivemos, mas isso é com Ele. A nossa parte a gente tem que fazer, que é nos amar, que é nos aceitar e nos orgulhar de estar viva e contemplar da vida que Ele nos deu.

Espero que vocês tenham gostado das respostas.
Nana querida, muito obrigada pelo espaço.



Any Muniz

Beijooo e fiquem com Deus.

14 de fev de 2011

Hipotireoidismo


Foto: Google Imagens

Ronaldo Luís Nazário de Lima, o Fenômeno, anunciou esta tarde sua aposentadoria no futebol. Durante a coletiva de imprensa em que falou sobre o encerramento de sua carreira, disse que sofre de Hipotireoidismo, doença que tem como efeito colateral o ganho de peso. O jogador sofreu muito preconceito pelo fato de estar gordo. Até mesmo o ex-presidente da república, Luiz Inácio Lula da Silva deu uma declaração a respeito: “Acho o Ronaldo excepcional, mas ele tinha que ter parado de jogar há muito tempo. Tá gordo”*, disse Lula sobre a forma física do ex-jogador do Corinthians.
O foco deste texto não é o fato de Ronaldo ter parado de jogar futebol, e sim o fato de ele estar com um problema na tireóide, uma glândula que produz hormônios e tem como uma de suas principais funções a regulação do metabolismo. O Hipotireoidismo é mais comum do que se imagina, estudos revelam que cerca de cinco milhões de brasileiros sofrem da doença.
É bom lembrar que o Hipotireoidismo afeta a gordos e magros. O importante é que a doença é de fácil tratamento. Basta fazer a reposição dos hormônios que a glândula tireóide não consegue produzir que a vida siga seu curso normal, sem seqüelas. O problema do Fenômeno foi não poder tomar essa medicação, pelo fato de ser atleta e esse tipo de tratamento ser considerado dopping.
Para diagnosticar a doença basta notar se está tendo alguns dos sintomas a seguir:

- Cansaço;

- Aumento de Peso;

- Fadiga;

- Depressão;

- Pele ressecada;

- Unhas quebradiças;

- Fadiga;

- Colesterol elevado;

- Tornozelos e rosto inchados.

 Para confirmar o diagnóstico é interessante fazer um exame para medir o TSH (hormônio estimulador da tireóide). É bom lembrar que é necessário sempre o acompanhamento de um médico especializado em doenças da tireóide, no caso o endocrinologista.
Minha mãe sofre de Hipotireoidismo também e segue o tratamento numa boa, nunca teve nenhuma complicação. Ela vai sempre ao médico (aliás, ela é médica) e toma a levotiroxina todas as manhãs, sem ter efeito colateral nenhum.

*Essa frase foi retirada na íntegra da Revista Época desta semana.

13 de fev de 2011

A discriminação contra os obesos



Caros Secretários Herman Jacobus Cornelis Voorwald e Julio Semeghini,
Meu nome é Pedro Ramos de Toledo e venho por meio desta missiva externar meu profundo desagrado com a posição do Governo do Estado referente aos professores obesos aprovados em concurso da Rede Estadual de Ensino. Após um ano e meio de processo seletivo, no qual fomos submetidos a duas provas eliminatórias e a um curso de formação com avaliações semanais, vemo-nos surpreendentemente proibidos de exercer a profissão de professor, um sonho para muitos de nós.
Sou obeso e, como muitos outros que sofrem da mesma condição, também fui considerado inapto para exercer o magistério. A pessoa obesa sofre cotidianamente com a discriminação social. Somos considerados feios, preguiçosos e mal-ajambrados. Não raro o obeso é motivo de piadas ao tentar passar por uma catraca ou uma porta giratória, ou mesmo vítima de hostilidade ao ser obrigado a se esgueirar no meio da multidão em estabelecimentos e transportes públicos lotados. Estamos sujeitos a conviver diariamente com troças, forma debochada de desprezo e, diferentemente de outras “minorias”, encontramo-nos em condição especialmente vulnerável, pois não contamos com entidades de defesa de nossos direitos civis ou campanhas de conscientização contra o preconceito.
Se o quadro já é desolador, o Poder Público do Estado de São Paulo, na contramão das políticas inclusivas que alicerçam a luta dos Direitos Civis em nosso país, decide limitar a cidadania de todo um grupo social, tornando-nos, aos olhos do mundo, cidadãos de segunda classe. A exclusão de obesos na avaliação do Departamento de Perícias Médicas é uma afirmação categórica de concordância com todos os estereótipos preconceituosos com os quais os obesos são estigmatizados. Legalizou-se a discriminação.
Caros Secretários, até o momento as desculpas dadas pelo Poder Público são pífias. Afirmar que tais laudos se sustentam exclusivamente em critérios médicos é de uma pobreza intelectual atroz. Foucault já chamou a atenção para o papel disciplinador e coercitivo dos discursos “científicos”, que foram utilizados seguidas vezes, ao longo da História, como “fatos irrefutáveis” para justificar as mais diversas atrocidades. Hoje o “gordo” é a bola da vez. Mas, não faz muito tempo, os mesmos médicos e cientistas diziam – amparados por dezenas de “pesquisas sérias e quadros estatísticos” acima de qualquer suspeita – que os negros, índios e povos mestiços eram geneticamente inferiores aos povos nórdicos. Tal afirmação tornou-se um regime de verdade que sustentou pavorosas políticas de embranquecimento e deu fôlego para doutrinas eugenistas por todo o mundo. Sob a máscara da neutralidade científica, regimes de verdades essencialmente reacionários puderam se infiltrar nos aparatos coercitivos da sociedade e justificar práticas abertamente preconceituosas. O que ocorre agora é exatamente o caso.
Diversos obesos têm relatado situações de constrangimentos e humilhações durante a perícia médica: Uma professora, ao ser avisada que reprovaria no exame, já sob forte tensão, foi obrigada a ouvir um sermão sobre “como ela estava deformando o seu corpo”; outra, após explicar que engordou ao ter dado a luz ao seu primeiro filho, ouviu como resposta que “ela comia como se ainda estivesse grávida”. Eu mesmo fui obrigado a ouvir que “ninguém quer um funcionário balofo como você”. Este é o nível dos profissionais que nos vem julgando. Subterrâneo.
Não faço aqui uma apologia da obesidade, Secretários. Sei dos riscos à saúde que a obesidade traz, bem como do desconforto em que vive o obeso. No entanto, é lamentável que minha capacidade profissional seja sumariamente desqualificada por ser “balofo”. É humilhante ser tratado como um incapaz. É aviltante ser vítima de preconceito. As Secretarias perderam uma excelente oportunidade de começar a mapear, através do Departamento de Perícias Médicas, servidores com problemas de peso para oferecer-lhes oportunidades de tratamento. Ao invés, preferiram cortar fundo com a navalha da exclusão. Esse episódio grotesco mostra como um regime de verdade científico pode agir como ferramenta de opressão e preconceito. Mais um episódio a figurar entre incontáveis medidas que caracterizam a péssima relação entre a atual administração e os profissionais da educação.
Mesmo o discurso que parte do ponto de vista da boa administração é patético. Se é do interesse público vetar pessoas obesas de ingressar no funcionalismo estadual para não assumir riscos de afastamentos e custeio de possíveis futuros tratamentos para os professores admitidos, tal interesse também deveria abarcar fumantes, idosos, pessoas estrábicas, hipertensos, anoréxicos, soropositivos, portadores de necessidades especiais etc. Poderíamos extrapolar e estender tal restrição às mulheres em idade fértil, que estão sujeitas à maternidade e consequente licença. De todo um universo social, composto por pessoas dotadas de histórias e condições diversas, as pessoas obesas foram selecionadas arbitrariamente, sem qualquer lei ou resolução que fundamente juridicamente tal seleção. Novamente, discriminação.
Sou obeso. E sou plenamente capaz de exercer a profissão de professor. Minha formação acadêmica provém de uma das mais conceituadas instituições de Ensino Superior do país e, posso garantir-lhes, é absolutamente sólida. Tenho a dedicação necessária para lecionar, a ponto de superar um concurso público longo e estressante e o fato de a carreira magisterial ser há muito desvalorizada; tenho a vontade necessária, a ponto de abrir mão de um emprego estável cujos rendimentos são maiores do que aquilo que receberei na rede; tenho plena convicção de que a carreira do magistério é a mais nobre de todas as profissões e que não será nos tribunais ou nos salões atapetados dos gabinetes e escritórios, mas nas salas de aula espalhadas pelos rincões deste país, que transformaremos nossa nação na potência tão sonhada pelas gerações que nos antecederam. Não pensem por um único momento que exista qualquer alternativa de desenvolvimento que passe ao largo dos professores. Não há.
Caros Secretários, é um fato que sou obeso. No entanto, antes disso sou um brasileiro que ama sua terra e que quer fazer sua parte. Parem de atrapalhar e se afastem. Gordos ou magros, nós professores temos muito que fazer. Temos um país inteiro para construir.

Grato por sua atenção,




Professor de História nomeado para a Rede Pública de Ensino do Estado de São Paulo e Obeso.

Acredito que nem comentario meu no post seja preciso mas...gostaria muito que todos fossem como Pedro e expusessem sua insatisfação com o que vem ocorrendo!

#WTFF??!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Layout: Bia Rodrigues | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©