O preconceito não tem peso físico que possa ser contabilizado em uma balança, mas pesa bem mais que o corpo de um gordo.

O preconceito não tem sexualidade nem preferência por gênero, mas é tão violento quanto um estupro.

O preconceito não tem cor visível, mas com toda certeza é bem mais escuro que a pele de um negro.

O preconceito não tem preço ele é distribuído de graça, o preconceito é vivo e se move com rapidez de um lince, espalha-se como um vírus, impregna o mundo e permanece anônimo mesmo quando esta mostrando a cara.

Dê voz a sua luta, seja contra o preconceito seja ele em que seguimento social esteja, o peso do preconceito pode ser grande,

porem o peso da sua força é bem maior.(Milly Costa)

13 de fev de 2012

Vencer os Limites do Preconceito


Eu nasce mulher, negra, pobre, cresce gorda, me tornei uma adulta gay (sim para quem ainda não sabe eu sou gay) e nunca esquecendo de dizer disléxica e assumidamente adepta do candomblé. Eu sou a candidata perfeita para sofrer preconceitos e como disse uma colega de movimento com uma frase super preconceituosa “Você nasceu Cagada”. É eu acho que se eu não fosse à pessoa espirituosa que sou eu me sentiria cagada na vida.
Porem eu percebi com o tempo que se eu não sofresse preconceito por um motivo eu sofreria por outro e que o melhor que eu teria a fazer era driblar todos eles e seguir em frente caso contrario o mundo iria me engolir de forma violenta, e eu não queria ser engolida, eu queria dar um passo para frente e em seguida um para o alto, em minhas poucas aspirações de vida o que eu realmente queria era me destacar para ser uma exceção a regra de ser cagada.

 Nascer mulher nunca é fácil, desde criança você começa a ser treinada para ser submissa e não queridos leitores não é uma coisa que seus pais façam, é algo  que a sociedade faz. Minha mãe é um exemplo de mulher que lutou, sofreu, mas venceu e nunca demonstrou fraqueza, ela sempre ensinou que lutando se pode ter tudo que se almeja, meu pai sempre me disse que o mundo era meu e que eu poderia ter dele tudo que estivesse disposta a buscar e nada poderia me atrapalhar. Mas mesmo com essas mensagens, vinha à parte da criação que dizia você precisa saber que não pode brigar com os meninos eles são mais fortes, mulher só pode sentar de pernas fechadas, é mais bonito mulher usar vestidos e saias, mulher tem que andar arrumada se não os outros chamam de desleixada e todas aquelas regrinhas que a gente já conhece de cabo a rabo.

Como somos uma família de descendia negra por parte de mãe, e totalmente mestiça por parte de pai, (minha avó é filha de uma italiana com um índio, e teve o meu pai com um negro meu DNA é uma salada) eu nasce com a pele negra, tenho uma irmã mas velha de pele clara quase branca, e a caçula mas puxada pro morena mesmo. E então as pessoas olhavam para nós três e diziam vocês não se parecem nada, e algumas bem inconvenientes chegaram a dizer nossa é cada uma filha de um pai...
Minha mãe sempre teve em mente que precisamos ser mais bem sucedidos, estudar mais, ser mais educados e bem mais inteligentes sem contar bem vestidos, por que negro mal vestido é ladrão, negro que não estuda é burro e vai morrer burro, e negro pobre é por que negro nunca vai subir na vida. Não, não era ela quem era preconceituosa, apenas ela sabia que tudo isso já foi dito por pessoas que acreditavam nisso e que ou a gente tenta melhorar ou sempre que entrarmos numa loja com roupas confortáveis seremos destratados, e os vendedores não nos atendem por acreditarem que não temos grana para pagar pelos produtos. É nós já passamos por isso.

Lembro que quando eu era criança, ainda não se comentava sobre dislexia e pouco se sabia sobre isso, como eu sempre fui meio nerd (e já havia o conceito de precisar estudar mais que os outros) eu me dediquei muito para uma prova de ciências, e fiz toda a prova correta, se bem avaliada eu deveria tirar dez como nota, pois todas as perguntas sem exceção estavam respondidas de forma correta, porem a minha nota foi zero eu lia e relia e não entendia porque da nota e fui contestar, ouvi uma resposta que nunca vou esquecer na vida, a professora disse você escreveu tudo errado, essa prova é um lixo como você quer ter nota, imagina como vai ser isso no futuro, isso na frente de toda a classe. Eu comecei a chorar e sai da sala.
Quando minha professora de português apareceu e me viu chorar, foi saber o que havia acontecido, eu contei e mostrei a prova a ela, ouvi a seguinte resposta, minha filha pare de chorar a função da língua é informar eu como professora de português nunca te dei uma nota baixa por que sei que você conhece todo o assunto, e sempre fui uma das minhas melhores alunas, vejo os textos que você escreve e como consegue se expressar enxugue suas lagrimas, e não deixei nunca ninguém te fazer achar que o que você escreve é um lixo.
Assim como a professora de português meus demais professores sabiam que eu tinha conhecimento do assunto e que não era errado o que eu escrevia e sim eram trocadas as letras, é eu troco as letras, eu escrevo uma mesma palavra de milhares de formas diferentes, por que o meu cérebro não consegui gravar a grafia, traduzindo eu não consigo gravar como se escreve cada palavra, mas conheço e sei o significado litetaral e contextual de cada uma delas assim como sei conjugá-las nos tempos verbais.  Mas poucas pessoas sabem como funciona os vários tipos de dislexia.

Não bastando eu ter esses motivos para sofrer preconceito, eu fui, sou e acredito que serei gorda, e cansei de tentar emagrecer e de me rejeitar por isso,  mesmo com todas as possibilidades de ouvir a cada momento em que eu passe na rua o quanto eu sou larga, o quanto ocupo espaço, o como possivelmente eu sou feia ou vou morrer pelo meu peso, mesmo que ninguém saiba que possivelmente eu tenha um problema hormonal, e não sou gorda por comer quilos de comida.
Assim como também as pessoas não conseguem entender que eu e nem ninguém escolheu ser gay, simplesmente se nasce dessa forma, é uma condição emocional, sexual e física, não sei onde colocaram na cabeça que é uma opção pois eu duvido muito que iríamos escolher ser chamados de “diferentes” sofrer por não poder dizer como as pessoas comuns dizem para uma outra pessoa eu estou interessada em você sem ser motivo de estranheza ou de gracejos, escolher não poder beijar em publico ou dar as mãos a quem eu amo. É como alguém poderia escolher viver assim se seria bem mais fácil amar alguém do sexo oposto e viver feliz como a cinderela sem ser covardemente julgada, é a duvida que eu tenho.

Quando penso nas varais vezes que ouvi na escola o quanto as pessoas sentem medo dos macumbeiros, as vezes que ouvi dizerem na rua que o povo do candomblé é adorador do demônio que fez pacto de morte e oferece sangue para satanás. Quantas pessoas foram proibidas de exercer a fé, pois ninguém quer se relacionar com religiões profanas e como eu tinha medo de dizer que eu e minha família éramos o tal do povo do candomblé e ser excluída.

È se for ver por cada situação de minha vida eu realmente nasce cagada, mas antes de eu aceitar ser cagada eu aceitei que eu represento uma pessoa comum com muitos motivos para dizer que o mundo é ruim para mim, e que eu nunca serei feliz na vida. Mas eu não quero e nunca quis ser cagada, então eu ignorei todos esses medos e aspectos que me colocaram e fui além do que o futuro de lixo que a minha professora me disse que eu teria. Eu fui além do que a negra pobre, eu quis mais por que ou eu queria mais para mim ou eu seria sempre inferiorizada pelos conceitos de um conjunto de gente que só sabe depreciar o outro. Eu até posso ser cagada, na visão de muita gente, mas no fundo no fundo tem muita merda querendo ser tão cagada quanto eu. Por mais que me digam que não seria possível eu brotei verde em meio o concreto eu mostrei vida.

Bjo grande da Gorda para todos vocês
Visitem meu blog A Gorda Revolucionaria


Comente com o Facebook:

7 comentários:

  1. olhe prima linda eu adorei o comentario foste de uma riquesa de palavras bem colocadas que encheu-me de orgulho,mas,o que mas me doi é que somos ignorantes e preconceituosos demais e isso é uma pena!MI

    ResponderExcluir
  2. emocionante teu post adorei!
    com certeza vc é prova de que carater e personalidade ajudam e muito na auto estima ...e que não é cor, peso, tamanho que interfere em algo...temos nossas neuras como sempre falo, mas e dai quem não tem ?!!!!

    o negocio é parar de mimimi e correr pra felicidade!!!

    ASSUMIDAMENTE SUA FÃ!

    Nana Pinho Em Cores

    Reciclar Moda do Bem

    @NanaEmCores

    bjO =**

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigaaaaaaaa tu sabe que ainda com palavras não da pra te agradecer o carinho de sempre. bjo bjo

      Excluir
  3. Gostei muito do seu texto, Milly! Eu acredito muito no potencial das pessoas! Todos nós temos dentro da gente um dom e temos que correr atrás desse dom! E isso independe de orientação sexual, cor, credo, religião, ser gordo ou magro! Parabéns! Você é uma vencedora!! Beijos!! Rê!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Re minha linda obrigado pelas palavras, bjooo

      Excluir
    2. Nasci cagada foi boa, so a Mile q aparece com essas coisas viu???
      Mais olha se no mundo tivesse cheio de gente "cagada" com esse teu potencial de enxergar as coisas , o mundo tava bem...
      Bjokas minha lindaaaa

      Excluir

Bem vindo(a), obrigada pela visita !!!
Fique á vontade e não esqueça de seguir :)
Comentários são sempre bem vindos *-*

#WTFF??!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Layout: Bia Rodrigues | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©