O preconceito não tem peso físico que possa ser contabilizado em uma balança, mas pesa bem mais que o corpo de um gordo.

O preconceito não tem sexualidade nem preferência por gênero, mas é tão violento quanto um estupro.

O preconceito não tem cor visível, mas com toda certeza é bem mais escuro que a pele de um negro.

O preconceito não tem preço ele é distribuído de graça, o preconceito é vivo e se move com rapidez de um lince, espalha-se como um vírus, impregna o mundo e permanece anônimo mesmo quando esta mostrando a cara.

Dê voz a sua luta, seja contra o preconceito seja ele em que seguimento social esteja, o peso do preconceito pode ser grande,

porem o peso da sua força é bem maior.(Milly Costa)

22 de jun de 2013

Grupo que oferecia ‘cura gay’ nos EUA pede desculpas e fecha as portas



Sigo um blog que recomendo que é o PRAGMATISMO POLITICO e hoje na atualização vi o post sobre o assunto.É claro que tinha que dividir com vocês .



A organização Exodus International enfrentou vários protestos por oferecer a “cura gay” (Foto: Reprodução)



Foram 37 anos dizendo que a homossexualidade era um desvio. A missão era, até esta quarta-feira (20/06), “ajudar” os gays a reencontrar “o caminho para ser um cristão pleno”. No entanto, a organização Exodus International mudou de ideia, pedindo desculpa pelos tempos de represálias aos casais do mesmo sexo. “Uma nova geração de cristãos está procurando mudanças. Ele querem ser ouvidos”, afirmou à imprensa dos EUA o líder da entidade, Tony Moore.


21 de jun de 2013

Estatuto do Nascituro:O Estado não pode mandar em nossos corpos.



Há tempos quero trazer esse assunto e texto ao blog, pois como sempre poucas pessoas procuram realmente se dar ao trabalho de ler e entender as coisas.

O texto é da Clara Averbuck com data de 05 de Junho de 2013 !




Hoje o Estatuto do Nascituro foi aprovado na Comissão de Finanças.
Ainda falta ser aprovado na Comissão de Justiça e no Plenário. Mas não duvido nada que seja. Nunca ouviu falar do Estatuto do Nascituro? Basicamente é o seguinte: um ÓVULO FECUNDADO vai ter os mesmos direitos que eu, que a sua mãe, que a sua irmã e que a minha filha e todas as outras mulheres do Brasil. Se, digamos, minha filha de nove anos fosse estuprada e engravidasse, não teria direito a fazer um aborto; teria de manter o filho do agressor. Se caso não tivesse recursos para sustentar a criança (!!!), o Estado se responsabilizaria com a apelidada BOLSA ESTUPRO até os 18 anos do filho - isso caso o estuprador não fosse identificado e RESPONSABILIZADO. Aborto de anencéfalo? Esquece. Risco de vida pra mãe? Foda-se a mãe. Trauma? Foda-se a mãe.
O aborto ilegal já causa 22% das mortes maternas. Com essa monstruosidade aprovada, é provável que esse número dobre, triplique. Criminalizar o aborto não é solução. Já falei sobre isso.
Se a mãe correr risco de vida e precisar de um tratamento que coloque em perigo a vida do feto, ela será proibida de se tratar. Afinal, a vida de um amontoado de células que ainda não nasceu, não tem personalidade, não tem consciência, é evidentemente mais importante do que a de uma mulher formada.

Vejamos alguns dos artigos dessa aberração:

Art.1º Esta lei dispõe sobre a proteção integral ao nascituro.
O embrião, você quer dizer. O amontoado de células.

Art. 2º Nascituro é o ser humano concebido, mas ainda não nascido.
Pff.
Parágrafo único. O conceito de nascituro inclui os seres humanos concebidos “in vitro”, os produzidos através de clonagem ou por outro meio científica e eticamente aceito.
Quer dizer, ATÉ UM CLONE é mais importante do que a vida da mãe.

Art. 4º É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar ao nascituro, com absoluta prioridade, a expectativa do direito à vida, à saúde, à alimentação, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar, além de colocá-lo a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão.
SENHORES, NÃO SEI SE VOCÊ SABEM, MAS ELE AINDA NÃO NASCEU.

Art. 9º É vedado ao Estado e aos particulares discriminar o nascituro, privando-o da expectativa de algum direito, em razão do sexo, da idade, da etnia, da origem, da deficiência física ou mental ou da probabilidade de sobrevida.
E a mãe que se foda.

Art. 10º O nascituro deficiente terá à sua disposição todos os meios terapêuticos e profiláticos existentes para prevenir, reparar ou minimizar sua deficiências, haja ou não expectativa de sobrevida extra-uterina.
E a mãe que se foda, depois de ter passado uma gestação inteira sabendo que o filho não sobreviveria.

Art. 13 O nascituro concebido em um ato de violência sexual não sofrerá qualquer discriminação ou restrição de direitos, assegurando-lhe, ainda, os seguintes:
I – direito prioritário à assistência pré-natal, com acompanhamento psicológico da gestante;
II – direito a pensão alimentícia equivalente a 1 (um) salário mínimo, até que complete dezoito anos;
III – direito prioritário à adoção, caso a mãe não queira assumir a criança após o nascimento.
Parágrafo único. Se for identificado o genitor, será ele o responsável pela pensão alimentícia a que se refere o inciso II deste artigo; se não for identificado, ou se for insolvente, a obrigação recairá sobre o Estado.
Quer dizer: se uma menina for estuprada pelo próprio pai e engravidar, ela é encorajada a carregar o filho/irmão, parir, criar e ainda ter que lidar com o pai de ambos, ou colocar o filho para adoção, como se os orfanatos fossem lugares bacanérrimos, como se o processo de adoção fosse algo fácil, como se isso tudo tivesse alguma conexão com a realidade. Se uma mulher for estuprada por desconhecido, até parece que vão caçar o cara para que ele dê pensão. Não sei o que é pior, o Estado oferecer a pensão ou sugerirem que o ESTUPRADOR pague pensão. Ele deveria estar preso, não deveria? Se encontrado, o estuprador não seria preso, mas obrigado a sustentar um filho? Vão querer visita obrigatória também? É completamente fora da realidade. Completamente. É de uma falta de empatia que eu nunca vi nessa vida. Fazer uma mulher a carregar o fruto de uma violência é acabar com a vida dela. Ou seja, mais uma vez: FODA-SE A MÃE.
É basicamente isso que diz o Estatuto do Nascituro: foda-se a mãe, foda-se a mulher que sofreu violência, foda-se a vida delas. O que importa é a vida que foi gerada.

E isso é baseado em que, mesmo?
Crenças. Crenças de que DEUS mandou essa vida. Gente, olha só, eu sou atéia, eu não tenho DEUS ALGUM. Se você tem um deus e ele não quer que você aborte, apenas NÃO ABORTE. Mas tire as suas idéias, as suas crenças e essa violência toda do corpo das outras mulheres. Das mulheres. De todas as mulheres.Fonte : 
http://claraaverbuck.com.br/

O Estado não pode mandar em nossos corpos. 


Pois bem queria muito dividir o texto, pois ela retrata de forma clara digamos que "desenhando" para quem não entende quando lê que esse estatuto é apenas absurdo em cima de absurdo.
Envergonha e nos faz enxergar o quanto a mulher é desvalorizada. As hashtags #RepudioAoEstatutoNascituro #VemPraRua  devem continuar
aparecendo em nossas postagens!

20 de jun de 2013

OAB critica aprovação da "cura gay" por comissão da Câmara



Responsável pela área de direitos humanos da OAB, Wadih Damous classificou o projeto como "mais um dos absurdos” da comissão presidida pelo deputado Pastor Marco Feliciano (PSC-SP).
Segundo Damous, o papel do Congresso é propor leis para garantir direitos, não para restringir ou criminalizar o direito à livre orientação sexual. "É lamentável uma proposição como essa justamente no momento em que o país assiste a uma mobilização social capaz de enfrentar práticas fundamentalistas e dar efetividade à defesa e garantia dos direitos humanos".
Antes de chegar ao plenário, o texto do projeto ainda será analisado pelas comissões de Seguridade Social e Família; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.Fonte : ExameAbril

É por isso que mais uma vez o Peso do Preconceito se une a causas como essa e traz para o blog e pagina do facebook nosso protesto contra 
mais essa insanidade desse ser ! 
E se você quer participar basta enviar sua foto para nosso 
email opesodopreconceito@gmail.com


19 de jun de 2013

Thammy Gretchen ironiza aprovação de proposta para ‘’cura gay’’: ‘’Tô doente desde que nasci’’



Atriz desabafou após decisão da Comissão de Direitos Humanos de permitir aos psicólogos que façam tratamento "contra a homossexualidade" do paciente.

Em entrevista para revista contigo Thammy disse "Quero muito me curar" de forma ironica!


Homossexual assumida, Thammy Miranda não escondeu sua indignação ao tomar conhecimento, nesta terça-feira (18), da aprovação pela Comissão de Direitos Humanos, comandada pelo deputado Marco Feliciano, do projeto que permite aos psicólogos fazer tratamento de cura em gays.

Revoltada com a decisão, a atriz publicou um texto bastante irônico em sua página no Instagram, na qual diz estar doente há 30 anos.

“Venho por meio deste comunicar que estou impossibilitada de trabalhar. Tô doente desde que nasci e aos 30 anos ainda não consegui minha cura! Preciso da ajuda do governo para pagar minhas contas e sustentar os meus luxos. Me coloco também a disposição do Deputado em questão a me curar, pois não sei mais o que vou fazer da vida com essa minha doença que já dura 30 anos! Peço a ele também, bolsa desemprego, bolsa alimento, bolsa gasolina, bolsa balada, bolsa cabeleireiro, bolsa imposto. Porque tô muito doente e não posso nem sair na rua, da que eu passo isso pra alguém? Vai que é contagioso e todo mundo ‘fica’ gay por minha culpa? ‘FICA’, né? Porque se é doenças, eu não sou gay e sim ‘ESTOU’ gay... Enfim, DEPUTADO, estou ansiosamente no aguardo do seu contato, pois quero muito me curar! Não sei se consigo viver mais 30 anos com essa doença!”, desabafou Thammy Miranda. 

17 de jun de 2013

Estamos de volta... "Campanha contra o Estatuto do Nascituro"


Foto Divulgação



Entre idas e vindas percebemos que precisamos ficar, e ficar não quer dizer blogar atrair seguidores ou coisas parecidas, precisamos ficar FORTES, PRESENTES, OPINANDO SIM, opinando sobre os assuntos que circulam na sociedade é por isso que estamos aqui ficando.

Poderíamos recomeçar falando sobre todas essas manifestações que estão acontecendo e falaremos sobre elas, mas não agora. Hoje queremos dar um ar FEMINISTA para o blog e não é só porque ele é composto por mulheres, mas porque de tudo que ouvi de negativo contra a mulher no passado ainda tem impacto hoje, imagina uma lei que retira todo e qualquer direito sobre o nosso corpo.

Estou falando sobre o Estatuto do Nascituro.
Para quem não sabe o que é o estatuto do nascituro ele não só impede a escolha do aborto, mas ele promove a mulher a mero objeto que tem obrigação de deixar o direito sobre o seu corpo nas mãos do estado. Defende ligação entre uma vitima de estupro e seu estuprador através de uma linha de pensão e de nome na certidão de nascimento.

Não vou entrar aqui em todos os detalhes acho que isso é um objeto de pesquisa e entendimento que todos da sociedade devem se dedicar a fazer, tenho minha indignação particular com essas leis, nunca fui estuprada porem entendo que nenhuma vitima de estupro quer manter uma gravides muito menos receber pensão visita e ter o nome do estuprador vinculado ao seu seja lá em que documento for.

Por isso pedimos a você mulher que tem respeito próprio, que entende que por anos aconteceram diversas lutas para que chegássemos num lugar mediano em que nós encontramos hoje, porque toda a luta e ainda ganhamos menos que os homens e com toda luta ainda somos vitimas de todos os tipos de abuso, é por isso que pedimos que digam não ao Estatuto do Nascituro.

Então convidamos vocês a participar do nosso protesto, tirando uma foto sua com uma frase libertaria do lado, demonstrando sua insatisfação com essa falta de respeito ao corpo da mulher. Sua foto será o nosso protesto.

Envie sua foto para nosso email opesodopreconceito@gmail.com


#WTFF??!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Layout: Bia Rodrigues | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©